de Richard Wagner, 1856
Ano
2011
Local
Theatro Municipal de São Paulo
Regencia
Luiz Fernando Malheiro
Direção
André Heller Lopes
Cenografia
Renato Theobaldo e André Reller
Figurino
Marcelo Marques
Iluminação
Fábio Retti
Remontagem
Theatro Municipal do Rio de Janeiro
 

A segunda ópera do “Ciclo do Anel”, de Wagner, foi concebida a partir de uma ideia fundamental: os Deuses existem pelo homem e só por ele conseguem seu poder. Nesta imagem, a representação do desejo do homem − neste caso, o brasileiro − de contato com Deus. Salas de ex-votos, elementos da cultura popular brasileira e outros elementos contemporâneos formam a iconografia do espetáculo.