de Carlos Gomes, 1891

Ano

2002

Local

Teatro Amazonas, VI Festival Amazonas de Ópera (FAO)

Regência Luiz

Fernando Malheiro

Direção

Bruno Berger

Cenografia

Renato Theobaldo

Figurino

Tânia Marcondes

Iluminação

Caetano Vilela

Remontagem

Teatro Municipal de São Paulo

 
 

Esta foi a segunda montagem desta obra desde sua estréia no Escala de Milão em 1891. Outras apresentações foram realizadas apenas em concertos. A ópera se passa em Samarcanda, no atual Uzbequistão, e a ação gira em torno da Rainha que vive prisioneira no seu palácio mas sonha com a liberdade para amar o forasteiro Condor. Não havia qualquer necessidade de construirmos um cenário realista e a idéia do cenário foi sintetizar ao máximo a noção de prisioneira em seu próprio castelo. Desenvolvemos um urdimento especial que criava paredes duplas de tecido elástico, com uma mandala ao fundo que se transformava a cada cena.